Doenças e Pragas

Mosca Negra

De origem asiática, a mosca negra (Aleurocanthus woglum) causa danos diretos e indiretos aos citros e prejudica o desenvolvimento e a produção das plantas.

Esta praga pode ser disseminada por transporte de material vegetal, principalmente plantas ornamentais, pelo homem e carregada pelo vento.

As espécies de citros são os hospedeiros primários, mas a mosca negra pode infestar mais de 300 espécies de plantas, incluindo abacateiro, cajueiro, videira, lichiera, goiabeira, mamoeiro, pereira e roseira, plantas ornamentais e daninhas, sendo transportadas facilmente entre regiões.

A mosca negra dos citros tem ocorrência registrada na África, nas Américas, Ásia e Oceania. Na América do Sul, está presente na Colômbia, Equador, Peru, Suriname e Venezuela. No Brasil, foi encontrada em meados de julho de 2001, na região metropolitana de Belém (PA). Atualmente, está disseminada em vários estados brasileiros incluindo São Paulo, onde foi observada pela primeira vez em 2008, primeiramente em pomares do município de Arthur Nogueira, depois Cosmópolis, Paulínia, Engenheiro Coelho, Limeira, Piracicaba, Mogi Mirim e Holambra.

Selecione um dos itens abaixo para visualizar mais informações:

Ciclo Sintomas Controle

Mosca Negra > Controle

O monitoramento deve ser feito por meio de inspeções semanais nas brotações novas, examinando a face inferior das folhas novas e maduras à procura de sinais de postura da mosca negra (ovos, ninfas, pupas e adultos).

 

Recomenda-se a pulverização de adulticidas associados a reguladores de crescimento. Também é necessária a aplicação de óleo mineral para retirar a Fumagina da superfície das folhas e frutos. Em áreas com altas populações pode ser necessária mais de uma aplicação.

 

O controle biológico também é indicado para a mosca negra. Os mais efetivos são com as vespinhas Encarsia opulenta e a Amitus hesperidum. É possível também o controle com Aschersonia aleyrodi, que em algumas regiões e épocas ocorrem naturalmente