Doenças e Pragas

Minador dos Citros

O minador é uma mariposa que ataca as folhas novas das plantas de citros e provoca redução na taxa de fotossíntese e no desenvolvimento de brotações. As folhas afetadas secam e caem. O inseto adulto tem envergadura de 4 mm, com escamas de coloração branca e prateada e um ponto preto nas asas anteriores, característico da espécie. Originário da Ásia, ocorre de forma generalizada em todas as regiões citrícolas do mundo.

Selecione um dos itens abaixo para visualizar mais informações:

Sintomas Controle

Minador dos Citros > Controle

O minador dos citros prefere vegetações novas, por isso o controle deve ser iniciado na primavera, época de início das brotações e quando ocorre o desenvolvimento da lagarta. 

O controle evita que as plantas fiquem debilitadas e, principalmente, diminui as chances de o pomar ser contaminado pelo cancro cítrico. No entanto, antes de iniciar o controle, é preciso conhecer a incidência da praga nos talhões.

Para isso, divida a propriedade em talhões de, aproximadamente, duas mil plantas. Em cada um, escolha aleatoriamente 1% de árvores (em torno de 20) para fazer o levantamento das plantas (em formação ou em produção) que estejam na fase de vegetação. Examine em cada planta três a cinco ponteiros de ramos recém-brotados e anote se há ou não a presença da praga. 

A presença é positiva quando há na folha pelo menos uma lagarta que esteja no primeiro ou segundo estágio.

- 1º estágio: a cabeça da lagarta é maior que o corpo

- 2º estágio: a lagarta que se encontra em galerias ainda é pouco desenvolvida, distantes da lateral da folha.

O controle deve ser adotado quando há a presença de lagarta vivas no primeiro e segundo estágios na proporção de 10% de ramos, em pomares novos e 30% de ramos nos pomares adultos.

Se a propriedade estiver em região com incidência de cancro cítrico ou se o pomar teve registro da doença, o controle deve ser feito assim que a lagarta for detectada, independente da quantidade.

Controle químico
O controle químico é feito por meio de pulverizações com produtos a base de abamectina misturados com óleo mineral na concentração de 0,25%.

Controle biológico
Pesquisadores do Fundecitrus, Embrapa, ESALQ/USP e Gravena Manejo Ecológico trouxeram da Flórida (EUA), em agosto de 1998, a microvespa Ageniaspis citricola, um inimigo natural do minador dos citros.

O inseto parasita o ovo e o primeiro estágio da larva e sua presença nos pomares reduz a população do minador dos citros, diminuindo as contaminações pela bactéria do cancro cítrico.

O trabalho de liberação é relativamente simples. Após a reprodução em laboratório, as vespas são colocadas em gaiolas com folhas infestadas pelo minador e parasitam a praga. Em seguida, são levadas ao pomar em recipientes protegidos com tela, que são fixados nos galhos das árvores. Dias depois, os adultos emergem e se espalham pelos talhões.

Nos Brasil, a microvespa chega a parasitar 76% dos ovos e lagartas do minador, mas o uso de inseticidas não seletivos reduziram significativamente a população deste inseto e geraram uma redução no parasitismo.